PUBLICIDADE

X

BRASIL

Quarta-feira, 25 de Março de 2020, 18h:43

Olho 687 acessos A | A

CORONAVÍRUS

Coronavírus: sobe para 57 nº de mortos no Brasil; 2.433 casos confirmados

Por: Do UOL, em São Paulo

Reprodução

Clique para ampliar

A lista detalhada com todas as cidades que já registraram casos da Covid-19 em Mato Grosso pode ser acessada no Boletim anexado ao final desta matéria. 

O Ministério da Saúde anunciou hoje em coletiva de imprensa que subiu para 57 o número de mortes por conta do coronavírus no Brasil — ontem, as autoridades contavam 46 vítimas. Ao todo, são 2.433 casos confirmados no país.

Os dados mais recentes apresentados ainda indicam as primeiras três mortes fora dos estados de São Paulo e Rio de Janeiro: Amazonas, Pernambuco e Rio Grande do Sul.

Com 48 mortes, São Paulo ainda segue como o estado com o maior número de mortes por decorrência da covid-19, seguido do Rio de Janeiro, com 6, segundo dados do Ministério da Saúde.

A entrevista contou com a presença do ministro, Luiz Henrique Mandetta, um dia após o pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) criticar medidas de isolamento recomendadas pela pasta. Na coletiva também estavam João Gabbardo (secretário-executivo do Ministério da Saúde), Wanderson de Oliveira (secretário de Vigilância em Saúde) e Denizar Vianna (secretário da Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos).

"Os números estão crescendo num ritmo aproximadamente igual dos últimos dias", explicou Mandetta a respeito da taxa de letalidade do coronavírus no país, de 2,4%.

O ministro destacou os primeiros óbitos na região Norte e na região Nordeste e se disse "espantado" com a quantidade de casos no Acre (23 casos confirmados) e no Ceará (200 casos): "O Ceará tem um excelente serviço de saúde de atenção primária, alta capilaridade de vigilância, temos que ver se é a vigilância muito sensível, conseguindo triar mais casos, ou se é algo diferente dos outros."

Aumento dos casos

Mandetta explicou que, com o aumento da quantidade de exames, vai ser possível "reduzir" o percentual de letalidade pelo aumento de casos confirmados porque, por ora, sabe-se a causa de morte dos pacientes, mas não se tem uma quantidade tão precisa de casos pois os exames não são aplicados em todos os suspeitos, e sim nos mais graves.

"Quando fizemos testes rápidos, esse número de confirmados vai aumentar muito, vai lá para cima e o número de óbitos sempre vai ser absoluto porque saberemos a causa da morte. A letalidade ficará menor que 2,4%, vai ser mais um elemento para que a própria população possa entender a dinâmica da virose em nossa sociedade. Nós temos o número, a meu ver, dentro do que é esperado para esse mês, mas vamos trabalhar no fim de semana para saber as projeções para o próximo."

O ministério pretende divulgar, ainda esta semana, um balanço dos primeiros 30 dias sobre o vírus no país. Auxílio a municípios Mandetta anunciou repasses de R$ 600 milhões para os municípios como auxílio no combate ao coronavírus. Cada secretário de saúde municipal deve buscar os repasses junto das secretarias estaduais. Os valores serão enviados de forma proporcional ao tamanho e população.

Compra de máscaras e respiradores A pasta anunciou que 40 milhões de máscaras para proteção foram adquiridas e que 240 milhões estão " em processo de aquisição". Das entregas realizadas, 2 milhões já foram distribuídas, 8 milhões ainda estão em distribuição, seja por meios aéreos ou terrestres. Mandetta explicou que, diante do cancelamento de muitos voos, diversas entregas tiveram de ser feitas por caminhões — o que demanda maior tempo.

O ministério já abriu licitação para adquirir 540 respiradores, dos quais 200 já foram entregues para os estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul. Além disso, aguarda a chegada de respiradores importados da China, cujo prazo de entrega é em até 10 dias. Já a produção local de novos respiradores deve ser feita a cada 30 dias.

O vírus já infectou mais de 350 mil pessoas em todo mundo e matou mais de 16 mil em 170 países, segundo dados desta semana da Organização Mundial de Saúde (OMS).


Leia mais sobre este assunto