PUBLICIDADE

X

CIDADE

Terça-feira, 26 de Novembro de 2019, 09h:23

Olho 1719 acessos A | A

MORTANDADE

Morte de peixes no Rio Padre Inácio em Cáceres pode ter sido causada pelo baixo nível de oxigênio da água, diz Sema

Por: Joner Campos I Cáceres Notícias

Reprodução

Clique para ampliar

O fluxo de água no lago está normal, porém existe a falta de oxigenação

Através de Denúncia por parte da Comunidade Barreirão (10 Km do Caramujo, sentido Curvelândia), da qual depararam com a mortandade de uma grande quantidade de peixes, e na sua grande maioria de Traíra ou lobó (Hoplias spp), da família Erythrinidae, presente em quase todos os açudes, lagos, lagoas e rios.

Em uma primeira análise é muito difícil afirmar com certeza o que seria a causa da mortalidade dos peixes naquele lago, sem antes fazer uma análise, um estudo, um levantamento com amostras da água, análise das cabeceiras das nascentes e até um pouco abaixo do rio para verificar se o comportamento dos mesmos peixes está diferente daqueles que foram encontrados mortos.

O fluxo de água no lago está normal, porém existe a falta de oxigenação, e como não há oxigênio suficiente para uma população de peixes, pode-se afirmar que a mortalidade foi provocada pela falta de oxigênio na agua, e a situação seria, a consequência do surgimento de resíduos na agua e por isso causou a dificuldade de respiração dos peixes.

Foi constatado também borbulhas que podem ter sido causadas por degradação de matéria orgânica no fundo do lago, esse processo liberaria gases, como o gás sulfídrico e metano, portanto, esses gases elevaram-se até a superfície, provocando o surgimento das borbulhas. Não foi possível fazer análises nos peixes mortos devido o estado de decomposição e só foi possível constatar o baixo nível de oxigenação da água que não está nos parâmetros ideais.

Os peixes de água doce geralmente requerem de 5 miligramas por litro ou 5mg/L de oxigênio dissolvido na água. A falta de oxigênio dissolvida na água é a mais comum causa de morte de peixes.

A Decomposição de plantas aquáticas ou algas podem resultar na perda de oxigênio em um corpo d’água, pois a atividade de decomposição realizada por micro-organismos resulta numa maior atividade dos mesmos e com isso em um maior consumo de oxigênio, faltando assim para os peixes. A ação antrópica é a principal causa da falta de oxigênio nas águas, o processo chamado de eutrofização (grande liberação de nutrientes orgânicos na água).

Será necessário um levantamento junto a Gerencia de Laboratório da SEMA-MT (GELAB), para coletar amostras da água, análise das cabeceiras das nascentes e verificar se o comportamento dos mesmos peixes está diferente daqueles que foram encontrados mortos.

GALERIA DE FOTOS