PUBLICIDADE

X

EDUCAÇÃO

Quinta-feira, 20 de Fevereiro de 2020, 09h:59

Olho 535 acessos A | A

ESTRUTURA PRECÁRIA

Deputado cobra investimentos a 24 escolas estaduais da região oeste, entre elas a Senador Mario Motta em Cáceres

Por: Rose Domingues Reis

Reforma de banheiros e cozinha, reparos, pintura, construção de muro, aquisição de equipamentos e mobiliários, computadores, aparelhos de ar condicionado e mesmo de transformadores para a adequação da rede elétrica. São inúmeras as demandas listadas por 24 escolas estaduais de oito municípios da região oeste de Mato Grosso.

O deputado estadual Dr. Gimenez (PV) explica que foram feitas, só nesta semana, 74 indicações com reivindicações de investimentos à Secretaria de Estado de Educação (Seduc). Na lista de necessidades, são identificados problemas recorrentes que atrapalham o rendimento escolar e geram insegurança a professores e alunos.

“Temos que trabalhar com a premissa de que educação é prioridade, por isso fiz esse trabalho de ir às escolas e com isso vou levar um documento pronto ao governo, mostrando quais são as principais deficiências e o que pode ser feito para melhorar. Buscamos acima de tudo ambientes adequados e atrativos, o que impactará positivamente nos nossos índices de desempenho escolar”.

Em Cáceres (210 km da capital), a diretora Gislaine Fernandes afirma que não tem como a Escola Estadual Senador Mario Motta continuar sem climatização devido às altas temperaturas do município e que geram desconforto e dificultam a concentração dos alunos. “Já tivemos casos de tonturas, diarreias e até mesmo desmaios por causa do calor, no período de seca, a situação fica mais grave”.

A unidade escolar possui atualmente 800 alunos do ensino fundamental e médio, distribuídos em 16 salas de aula. Com 40 anos de fundação, a escola recebeu poucas ações de investimento. No ano passado, foi feita a conclusão da reforma elétrica, porém a comunidade aguarda a climatização, com instalação de um posto de transformação e a aquisição de 21 aparelhos de ar condicionado.

Para Mirassol D’Oeste, as demandas são de melhorias para seis escolas. Na Escola Estadual Padre José Anchieta, uma das exigências é a construção do muro e instalação de câmeras de segurança, propiciando mais segurança. Há necessidade também de reformas estruturais e nos banheiros, pintura, aquisição de armários, aparelhos de ar condicionado, um laboratório de ciências e de uma área de convivência.

Reprodução

8ed4f720-b7b8-4f28-98f3-c462ba6bec80.jpg

 Pátio da Escola Estadual Senador Mario Motta em Cáceres

Já na Escola Campos Widal, no mesmo município, foram identificadas as demandas de construção de uma quadra poliesportiva coberta, de mobiliários, principalmente para a cozinha, equipamentos e mobiliários para a sala de informática e recursos multifuncionais. Na Escola Benedito Cesário Cruz, os computadores estão defasados e precisam ser substituídos, também é urgente a reforma na cozinha e na despensa de alimentos, além de aquisição de um fogão industrial.

“Tivemos um alto desempenho de estudantes das escolas da região oeste no Enem [Exame Nacional de Ensino Médio], porém, ao avaliar a estrutura dessas unidades, observamos que é muito deficitária, isso significa que a equipe de servidores tem feito um bom trabalho mesmo em condições insuficientes e até adversas. Como deputado, quero contribuir com a mudança dessa realidade”, acrescenta o parlamentar.

Em Quatro Marcos, são sete escolas estaduais, que, de modo geral, exigem reparos e melhorias na cozinha, nos banheiros. No caso da Escola Estadual Deputado Bertoldo Freire, onde houve um aluno que passou em 1º lugar em medicina na UFMT e que atualmente atende o projeto Escola Plena, é preciso construir vestiário masculino e feminino, ampliar a biblioteca, adquirir computadores para o laboratório de informática e ampliar e equipar o espaço do laboratório de ciências.

Pontes e Lacerda possui cinco unidades escolares com demandas urgentes de reparos. Na Escola Estadual Ceja 6 de Agosto, constam telhado, piso, paredes, instalações hidráulicas e rede elétrica que precisam de intervenção. Situação similar já foi denunciada pelo deputado Dr. Gimenez em relação à Escola Vale do Guaporé, onde o parlamentar verificou pessoalmente que um galpão sem estrutura e climatização tem sido utilizado para atendimento dos alunos do ensino fundamental.

As mesmas situações acontecem nas escolas estaduais dos municípios de Porto Espiridião, Rio Branco, Lambari D’Oeste e Araputanga, onde é necessário, por exemplo, construir banheiros, lavatório, bebedouro, almoxarifado, auditório, sala de jogos e de convivência. Além disso, é fundamental fazer adequações para atender critérios de climatização das salas de aula, que nem todas receberam.

O deputado encaminhará o documento com detalhamento das demandas à Seduc para providências. “Essa lista de prioridades ficou muito grande devido aos muitos anos sem a atenção devida do Poder Executivo, mas acredito na capacidade de investimento do atual governo, que vem demonstrando estar preocupado com a nossa região. Vou intermediar e acompanhar a resolução dos problemas, buscando uma nova era para a educação de Mato Grosso”, disse o parlamentar.


Leia mais sobre este assunto