PUBLICIDADE

X

POLITICA

Quinta-feira, 03 de Dezembro de 2020, 15h:56

Olho 1015 acessos A | A

VITÓRIA DA EDUCAÇÃO

Estado mantém CEJA em Cáceres, Pastorello diz que é preciso cautela com as outras escolas

Por: Assessoria

Reprodução

Clique para ampliar

Cézare Pastorello-SD, defensor da manutenção de todas as escolas abertas, e a professora Mazéh, recém eleita vereadora por Cáceres, pelo PT.

Em Cáceres, na última sexta-feira, 30.11, a unidade do CEJA Milton Marques Curvo recebeu um e-mail apenas pedindo a informação de para onde os profissionais teriam preferência para serem removidos. Isso causou comoção na cidade e diversos segmentos se mobilizaram e se uniram aos outros 20 CEJAs de Mato Grosso para protestar.

Após as manifestações de segunda e terça-feira, foi uma realizada reunião ontem, 02, com os diretores de CEJAs de MT e o Secretário Estadual de Educação, Alan Porto, que aos diretores que as unidades não serão mais fechadas, pelo contrário, irão receber alunos do ensino regular. Com isso, deixarão de ser CEJAs para serem EDIEB, Escolas de Desenvolvimento Integral.

“Devemos sim, comemorar a manutenção no nosso CEJA, que já tirou milhares de pessoas do analfabetismo e deu qualidade de vida a tantos outros que conseguiram se formar. Ainda temos uma demanda muito grande no Município. Porém, o processo de redução do número de unidades continua, e a ampliação dos serviços do CEJA (que passa a receber, também, alunos do ensino regular) pode ser uma ferramenta para fechar mais algumas escolas, além da Escola Estadual Esperidião Marques, que já estão querendo fechar,” alerta o vereador Cézare Pastorello-SD, defensor da manutenção de todas as escolas abertas.

“Para a imprensa, a notícia da SEDUC é que seriam usados critérios técnicos. E na sexta-feira, igual aconteceu com o CEJA, a administração da Escola Esperidião Marques recebeu um e-mail questionando para onde iriam os servidores. Daí se pergunta: qual critério técnico foi usado para escolher fechar a Esperidião Marques? Fica claro que a questão é quantitativa e financeira, e não qualitativa. Para esse reordenamento que a Seduc quer fazer, o outro lado tem que ser ouvido, e não digo os servidores, mas a comunidade escolar, os alunos e pais de alunos. Precisamos é de estrutura nas escolas e investimento na educação, igual o governo está fazendo na Segurança Pública. Não podemos aceitar abertura de celas e fechamento de salas como um coisa normal.”

No mesmo sentido, a professora Mazéh, recém eleita vereadora por Cáceres, pelo PT, se manifestou em defesa da Escola, em ato realizado no dia ontem, na Praça Duque de Caxias, em frente à Escola Estadual Esperidião Marques: ”A educação pública, gratuita e de qualidade é uma conquista suada do povo brasileiro. Não podemos perder uma escola apenas recebendo um e-mail. Temos que lutar pela manutenção de todas elas”.

 

 

A Escola Estadual Esperidião Marques tem um dos melhores IDEBs do Estado de Mato Grosso e foi a primeira escola pública na cidade de Cáceres.